Receba nossas atualizações por e-mail!

INFORMAÇÕES SOBRE PASSEIOS
DE OBSERVAÇÃO DE BALEIAS EM VITÓRIA, ES:
027 999 800 413
027 992 473 882
027 992 977 851
 
INFORMAÇÕES ESPECÍFICAS SOBRE
O PROJETO AMIGOS DA JUBARTE:
027 999 864 177
 
E-MAIL:
amigosdajubarte@gmail.com

Vitória: Entre Baleias e Golfinhos

 

Saída Promocional de Observação de Baleias Conecta o Turismo sustentável à preservação dos cetáceos

 

No dia 22 do últimos mês, o Projeto Amigos da Jubarte organizou mais uma saída promocional de observação de baleias-jubarte. A expedição durou cerca de seis horas e contou com o avistamento de várias baleias-jubarte (Megaptera novaeangliae) e golfinhos-nariz-de-garrafa (Tursiops truncatus).

 

 

Essas saídas são realizadas com o intuito de gerar conversações para que medidas sejam traçadas visando o bem estar natural dos cetáceos existentes na litoral capixaba pois eles são um símbolo de preservação e conscientização ambiental alinhado ao turismo, a educação ambiental e a pesquisa.

 

A Bordo


Na embarcação, que realizou todo o trajeto, estavam a bordo: Thiago Ferrari e Sandro Firmino, coordenadores do Projeto Amigos da Jubarte; Penha, Mariana e Even, pesquisadoras do Jubarte.Lab; Lorenzo, da comunicação do Projeto; Dorval Uliana, Secretário de Turismo do Espírito Santo.; Diego Libardi, Superintendente do Ibama; Brunela Veronez da Vale e Amanda Amaral; A Equipe da Terra da Gente, programa de TV de Campinas e região.

 

 

 

A Saída

 

6h: o dia amanhece com o céu claro com poucas nuvens e com uma leve brisa vinda do oceano. O vento é frio mas aos poucos o sol aquece o dia. Os tripulantes vão chegando aos poucos ao Iate Clube, local de partida, e logo a embarcação estava completa.

 

6h30: Todos os preparativos para saída já foram realizados e verificados, os tripulantes se arrumam e se ajeitam para poderem entrar na embarcação. Já dentro da embarcação, Thiago Ferrari, um dos coordenadores do Projeto Amigos da Jubarte, faz uma breve explicação sobre o trajeto a ser realizado, informa as condições de avistamento aparentes e aproveita a oportunidade para reforçar os cuidados necessários para que nenhum tripulante passe mal. Nesse dia, o mar apresentava excelentes condições de navegação, o mar estava calmo e os ventos estavam fracos.

 

7h: O motor da embarcação é ligado. É dada a partida para a expedição promocional de observação de baleias.

Os tripulantes seguem eufóricos e confiantes de que será possível observar as baleias. Em seus olhares era possível perceber a emoção de cada um.

 

8h: Já se passa uma hora de expedição e até agora não foi possível observar nenhum sinal de baleia-jubarte. A tripulação segue confiante em direção ao alto mar sempre com os olhares atentos procurando um borrifo de jubarte. Já estamos na altura dos navios atracados no litoral da Grande Vitória. A brisa marinha marinha vai de encontro aos rostos dos tripulantes e o sol quente aquece a nossa pele. É possível observar outras embarcações de turismo que vão em direção ao alto mar também na busca de encontrar e avistar alguma baleia.

 

9h: Duas horas se passaram desde a nossa saída. O cansaço já era possível de ser observado em alguns rostos. Afinal, onde estão as baleias? Mas a ansiedade e esperança de observá-las não abalou nenhum tripulante e os olhares atentos para o mar continuavam.

 

 

9h30: Aos poucos já não se via mais o litoral e a sensação de que a qualquer momento poderia surgir uma baleia parecia estar em todos… e isso não demorou muito. “BALEIA!”, afirma Thiago Ferrari apontando em direção ao mar. Todos da embarcação voltam seus olhares e de repente surge um borrifo e a dorsal escura de duas baleias-jubartes. Todos da embarcação ficam felizes e contentes com a surpresa e aos poucos o barco se aproxima das baleias respeitando as normas de avistamento. Dorval Uliana, Secretário de Turismo do Espírito Santo, e Diego Libardi, Superintendente do Ibama, vão a proa seguidos da equipe de filmagem da “Terra da Gente” para observarem as baleias da melhor posição possível. Ali eles observam que todo esforço valeu a pena e o quanto a preservação desse ser vivo é importante para o Espírito Santo.

 

 

 

 

10h: Passados meia hora de observação e pesquisa, os tripulantes da equipe concordam em dar espaço para as duas jubartes que foram avistadas,. Todos se aprontaram e  ficaram em um local seguro para que novamente o embarcação pudesse ser ligada e seguir em direção ao Talude, localizado a mais ou menos 40km da costa.

 

10h15: Seguimos em frente, confiantes de que a viagem já valeu a pena. O que vier será lucro. Porém, para a nossa surpresa, algo magnífico estava por vir… Após alguns minutos, uma pesquisadora do Jubarte.Lab observa uma movimentação no mar. Logo, ela exclama alto: “olha lá, golfinhos!”. Para a nossa surpresa, golfinhos-nariz-de-garrafa foram avistados. A embarcação novamente para e vai em direção aos cetáceos. Aos poucos eles foram se aproximando da embarcação e em um piscar de olhos começaram a acompanhá-la como se tivessem se divertindo. Foi emocionante para todos observar esse animal tão belo acompanhando a embarcação. Logo após alguns minutos os golfinhos deixam de acompanhar a lancha e voltam a se agrupar. Mais uma vez os integrantes do barco concordam entre si de que a missão ainda não estava completa e que era necessário ir mais para alto mar.

 

 

 

 

11h30: Se passaram quatro horas e meia desde o início da expedição. Já estávamos próximos ao Talude. Todos dentro da embarcação estavam contentes com todas as experiências que passaram. Porém o gostinho de quero mais permanecia na boca de todos. Na saída de observação de baleias, os tripulantes devem manter os olhares sempre atentos caso consigam observar algum borrifo. E mais uma vez, as baleias não decepcionaram. Uma, duas, três, quatro… seis! Seis borrifos diferentes logo a nossa frente podiam ser avistados. Foi uma emoção só! Todos que estavam na lancha ficaram contentes ao avistar tamanha beleza. O Secretário de Turismo, o Superintendente do Ibama, as meninas da Vale e as pesquisadoras do Jubarte.Lab, todos estavam felizes! A equipe de filmagem da “Terra da Gente” não perdeu tempo, e logo levantou voo com o drone para fazer um melhor registro do momento. O trabalho ali estava feito. Amissão estava comprida!

 

 

 

 

12h30: Mas nem tudo que é bom dura para sempre. Nossa hora de voltar para casa se aproximava. Foram ao todo seis horas de expedição e cerca de uma hora e meia de observação de cetáceos. Todos os tripulantes sabiam que a viagem e o esforço valeram a pena. A satisfação da equipe toda foi uma só.

 

 

  

13h: Já na altura dos navios atracados era possível ver o lindo litoral da Grande Vitória. Todos estavam contentes, a saída foi um verdadeiro sucesso. O sentimento de observar uma baleia-jubarte é único e reconhecer que o mar é o seu lar e que devemos preservá-lo é o principal ensinamento que se aprende durante a saída de observação. As baleias são um símbolo e sua preservação significa não apenas a manutenção dessa espécie, como também de muitas outras. 

 

 

Diagnóstico

 

A observação de cetáceos é uma atividade muito benéfica para o turismo no Espírito Santo, principalmente para a região da Grande Vitória. Dorval Uliana, Secretário de Turismo do ES diz que esse tipo de passeio gera um fluxo turístico muito significativo para o estado.

 

 

“Todo o trabalho de pesquisa e proteção que ocorreu entorno baleia-jubarte no decorrer desses anos foi essencial para movimentar a economia capixaba, as baleias são muito atrativas no ponto de vista do turismo”, afirma Dorval.

 

As saídas de observação de jubartes são encantadoras, nelas as pessoas conseguem ter viver experiências inesquecíveis como navegar em alto-mar, observar diversos pássaros marinhos, ver todo o litoral da ilha de Vitória, passar perto dos navios e, é claro, ver de perto as baleias.

 

Mas um outro olhar em relação à importância dessas saídas também é necessário: a conscientização ambiental. Diego Libardi, Superintendente do Ibama, diz que todo trabalho que alia a exploração econômica junto com a conscientização ambiental, como é o caso do turismo, contribui com o meio ambiente.

 

 

 

 

“Os dados e informações coletadas e difundidas pela pesquisa, junto com o trabalho de conscientização ambiental, atrai o turista a consumir esse tipo de passeio e se sensibilizar com as causas ambientais”, afirma Diego.

 

As baleias-jubarte são símbolos de preservação sendo considerada uma espécie guarda-chuva, ou seja, uma espécie que, por seu carisma, contribui para a conservação de diversos outros seres que compartilham o mesmo ambiente que elas.

 

 

As fotos dessa matéria foram realizadas e editadas por Lorenzo Savergnini.

 

--

Para aqueles que tem interesse em ver as baleias em Vitória - Espírito Santo, é só entrar no site do Projeto Amigos da Jubarte pelo link: www.queroverbaleia.com

 

 

 

Os Projetos Amigos da Jubarte, Jubarte.Lab e Golfinhos do Brasil são de realização do Instituto O Canal e Instituto Últimos Refúgios, em parceria com a Vale e o apoio nessa atividade da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Sebrae, Prefeitura de Vitória e Governo do Estado do Espírito Santo.

 

 

 

  

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload